Voltar
21 dez. 2014
Projeto

Música para todos

Todas as terças e quartas a rotina da menina Renata Anes, de 14 anos, é a mesma. Depois de assistir às aulas, ela almoça e viaja durante uma hora no ônibus do transporte coletivo de Curitiba com destino ao Prédio Histórico da Universidade Federal do Paraná, no centro da capital paranaense. Renata é uma das 50 crianças que participam do projeto gratuito “Música para Todos”, da UFPR, que é administrado por sua fundação de apoio, a FUNPAR, e patrocinado pelo Banco Itaú.

“Sempre foi meu sonho estudar música”, alegra-se Renata. Vaidosa, ela se apresenta cuidadosamente maquiada para os ensaios no Teatro Experimental da UFPR. A turma prepara uma apresentação para o fim do semestre. “Dá um pouco de vergonha no começo, mas depois que o espetáculo começa, esqueço da timidez”, orgulha-se a menina durante uma pausa dos trabalhos, que são retomados quando a jovem retorna à última fileira do coral, por ser a mais alta do grupo.

À primeira nota, percebe-se que o timbre vocal da turma varia do infantil ao juvenil, resultado da idade dos cantores. Os mais novos têm 7 anos e os mais velhos 14. Em comum o fato de que todos pertencem a classes sociais menos favorecidas economicamente.

“Ao abrir suas portas, a universidade afasta esses meninos e meninas do convívio com a violência, além de estimular a auto-estima deles”, afirma a coordenadora de cultura da UFPR, Lucia Mion. O trabalho tem a duração de dois anos, período no qual os participantes assistem aulas de teoria musical, canto coral e aprendem a tocar um instrumento, que pode ser violino, violão, flauta doce, percussão ou piano.

O método tem esta divisão para estimular, gradualmente, habilidades musicais básicas. No primeiro ano, os trabalhos são coletivos, com a realização de atividades de coral, estudo de teoria – com a formação de grupos por idade – e aulas dos cinco instrumentos do curso. No segundo ano, os alunos fazem a opção por um dos instrumentos e começam a ter aulas práticas individuais. Além de continuar com o estudo do conteúdo teórico e do canto.

O repertório das músicas é definido pelo professor de cada módulo. “A preocupação maior é com relação à adequação da letra”, diz a coordenadora artística, Doriane Rossi. “Fazemos com que eles pensem na mensagem que o texto transmite, isso faz parte da educação musical”, completa.

Ciente da importância da iniciativa, Rossi exalta a qualidade artística dos integrantes do projeto. “Existem pessoas que são naturalmente musicais, mas todo ser humano tem talento para a música, o que muda é o estímulo que se recebe”.

Uma dessas jovens vocações é Renata, que teve sua vida alterada pelo incentivo da arte. A mãe da menina, Fabiane Valmore, conta que a filha pretende seguir carreira artística e que a adolescente já faz planos dos cursos que pretende participar. Esperançosa, ela vê no projeto Música para Todos uma oportunidade de crescimento para a jovem, “o conhecimento musical e a experiência que a Renata tem adquirido aqui serão essenciais para a vida dela”, conclui.

1
Apresentação dos alunos no Teatro Experimental da UFPR
5
Alunos nas escadarias do prédio histório da UFPR, na Praça Santos Andrade